Site sobre a academia de kung fu Garra de Águia filiado a Lily Lau Kung Federation International.

História

História

Garra de Águia: versatilidade e precisão em um só estilo

Técnica baseada no Yin Yang reúne mais de 100 variações de luta como imobilização

Por Flávio Perez

 

O simbolismo aponta a águia como personificação da força e da inteligência. No Kung Fu não é diferente: qualquer semelhança com a filosofia Yin Yang não é mera coincidência. A técnica batizada com o nome da ave de repina é inspirada nos movimentos precisos dela. A águia tem garras fortes e versáteis, além de cruzar os ares com graça e beleza. Na prática, os discípulos aprendem movimentos que primam pela definição, tonificação e fortalecimento do corpo. A utilização de socos, golpes com palma, chutes e rasteiras são características do estilo, bem como saltos acrobáticos.

O estilo Garra de Águia conta com 108 técnicas de luta. A base da ramificação da arte milenar chinesa é a técnica da aplicação de chaves e agarramentos em pontos de pressão do adversário. A teoria do Yin e Yang comprova, na prática, a semelhança com o estilo. Os mestres e professores ensinam a arte de se defender independentemente da força do oponente.

General Ó Fei: o pai da Garra de Águia

 

O chinês Ó Fei aperfeiçoou e consolidou as bases do estilo Garra de Águia em 1.120 D.C, durante a dinastia Sung. O garoto, órfão de pai, soube aprimorar os conhecimentos da arte milenar e com a rápida ascensão a chefe do exército do Norte da China levou a técnica para todos os cantos do país mais extenso do mundo.

Ó Fei, por não ter a referência de um pai biológico, foi apadrinhado e alfabetizado pelo Mestre Chow. Na grade escolar, disciplinas como caligrafia, literatura, matemática e desenho. Na China antiga, a alfabetização começava dentro de casa, com os pais. Não havia escola primária no país. Só depois, o aluno era repassado aos cuidados de um tutor. Chow foi aluno dos monges do Tempo de Shaolin e ensinou ao pequeno Fei, além das disciplinas escolares, técnicas de luta e variações do Kung Fu. Não é errado afirmar, entretanto, que o estilo é derivado do Templo de Shaolin, mas aprimorado por Ó Fei.

Mas, tudo isso não seria possível se o jovem não fosse promovido a general do exército chinês. Nos “quartéis”, Fei treinava os oficiais de batalha com as técnicas do Kung Fu. O efeito multiplicador ia parar nas casas dos soldados, também graduados no estilo Garra de Águia. Ó Fei saiu como vencedor na maioria das batalhas que participou. Era classificado como guerreiro inteligente disciplinado e justo. Por isso, o general foi testado e invejado na China antiga. Tchan Kui — conselheiro da corte — não suportava a fama de Ó Fei e resolveu direcionar calunias ao rei Sun, famoso por aceitar as orientações dos assessores próximos. O rei influenciado pelas acusações contra Fei, chamou o general por dozes vezes ao seu palácio, sem se importar em interromper as batalhas da guerra em andamento. Na última, Ó Fei e seu filho Wan foram presos. Eles e toda família de Ó Fei foram sentenciados à morte.

A decisão inconcebível revoltou os soldados e os discípulos de Ó Fei lideram uma rebelião para acabar com as tropas do rei, mas o próprio mestre acalmou os ânimos e pediu aos soldados que respeitassem a vontade e as ordens de Sun. Após sua morte (aproximadamente em 1.143 D.C), os alunos passaram a ser perseguidos pelo rei. Isso fez com que o estilo Garra de Águia sumisse das zonas de batalha. Reza a lenda que quem utilizasse ou ensinasse tal técnica seria morto.

Os ensinamentos de Ó Fei apareceram novamente anos mais tarde. O monge Lai Tchin batizou a técnica de Tao Tchai e voltou a ensinar o estilo, com mais aprimoramento. Outro monge, de nome Fan Sen, acrescentou mais técnicas de pernas e saltos mortais, deixando, desta forma, o estilo Garra de Águia muito mais completo. Sob o regime de outro império, Fan Sen começou a ensinar mestres, como Lau Si Chang – apontado como o maior divulgador do estilo na China.

O estilo milenar foi se popularizando. Já no século XX, o mestre Lau Fat Mang, também discípulo da filosofia de Ó Fei, foi apontado como o rei da Águia. O estilo ganhou força em Hong Kong e a ocidentalização da cidade, dominada pelos ingleses, ajudou a propagação do Garra de Águia no mundo tudo.

Anúncios